Funvic/Taubaté bate Brasil Kirin e dá primeiro passo na busca pela vaga inédita na final

As duas equipes paulistas jamais chegaram a uma final de Superliga e agora duelam em busca da decisão inédita

Hoje (26), no ginásio do Abaeté, o Funvic/Taubaté recebeu o Brasil Kirin Vôlei para um duelo paulista válido pelo primeiro jogo das semifinais. Um pequeno início de incêndio atrasou a partida que estava marcada para às 11:30. Ninguém se machucou e a partida foi iniciada normalmente, apenas com uns minutos de atraso.

Na briga pela vaga inédita na final, o Funvic/Taubaté saiu na frente na disputa melhor de 3 por 3 sets a 1 com as parciais (25/19, 25/17, 20/25 e 25/20). O fez uma excelente atuação na partida e foi escolhido pelo público o melhor jogador em quadra, levando pra casa o troféu Viva Vôlei. O próximo jogo será na próxima sexta-feira às 21 horas, no ginásio do Taquaral, em Campinas com transmissão do canal Sportv.

Foto: Brasil Kirin

SOBRE O JOGO

A equipe de Taubaté iniciou a partida com o levantador Raphael, o oposto Sanchez, os ponteiros Lucarelli e Lipe, os centrais Deivid e Otávio e o líbero Felipe. Já os campineiros entraram em quadra com o levantador Gonzalez, o oposto Wallace, os ponteiros Lucas Lóh e Piá, os centrais Maurício e Luizinho e o líbero Tiago Brendle.

No primeiro set, os taubateanos já saíram na frente. Sem dar espaço pros adversários, eles levaram poucos pontos e apenas abriram o placar, chegando a atingir a vantagem 8 pontos. Era perfeição em quase todos os fundamentos: passe, ataque, defesa e contra-ataque. O técnico do Brasil Kirin, Alexandre Stanzioni, gastou precocemente seus dois tempos técnicos do set devido a má performance da equipe durante a parcial. A vantagem dos donos da casa seguiu aumentando, com os centrais dando show no bloqueio, deixando ainda mais difícil uma reação campineira. Já quando o Taubaté chegou à casa dos 20 pontos, foi a vez do Brasil Kirin esboçar uma reação, diminuindo a vantagem para 7 pontos, porém, ainda considerada alta. O técnico César Douglas, da equipe de Taubaté, faz algumas alterações na partida, dentre elas, a entrada do ponteiro Japa no lugar de Lucarelli no fundo de quadra, e a inversão 5-1, com o oposto Leozão e o levantador Pedro. Com a rodagem do rodízio de quadra, Lucarelli voltou pra quadra pra fazer sua função na rede. Mais reação pelo lado do Brasil Kiirin, e a vantagem foi diminuída ainda mais, com excesso de rivalidade. No que se encaminhava para ser uma parcial esmagadora, o Funvic/Taubaté permitiu a reação campineira, mas ainda sim fechou o primeiro set em 25/19.

 Foto: Brasil Kirin

O jogo seguiu em favor do Taubaté também no segundo set. Parecia que o Brasil Kirin não estava encontrando o seu melhor. Quando tinha a oportunidade de virar a bola, levava bloqueio ou a falta de calma forçava o erro de ataque. As coisas realmente estavam se estreitando para os campineiros. Muitos dos pontos taubateanos, devem-se ao oposto cubano Sanchez, que sem dúvidas, fez um de suas melhores partidas no campeonato. O levantador Raphael percebeu a boa fase do cubano e passou a sobrecarregá-lo nas jogadas. O técnico César Douglas optou novamente pela inversão 5-1, que logo após o saque, foi desfeita. Destaque também para a equipe de Taubaté em geral, que errou ainda menos e deu boa assistência durante o seu que foi fechado em 25/17.

Foto: Brasil Kirin

O terceiro set foi realmente o mais disputado, onde o Brasil Kirin jogou à frente do placar pela primeira vez na partida. Com a partida seguindo equilibrada, o ponteiro Lucas Lóh sofreu uma lesão no pé direito, uma torção que o tirou da partida por definitivo. O ponteiro Ygor Ceará entrou para substituí-lo. Após a substituição, as coisas começaram a dar certo para o Brasil Kirin que virou o marcador e fechou a parcial em 25/20.

Quando o jogo se encaminhou para o quarto set, o Funic/Taubaté estava decidindo que não deixaria a partida ir para o tie break. Com show de atuação dos centrais e ponteiros, os donos da casa se impuseram no jogo e fecharam a partida com a parcial 25/20.

Foto: Brasil Kirin
Compartilhe no Google+

About Juliana Amaral

Brasileira e alagoana. Proprietária e Redatora da United for Volley, estudante de Jornalismo e Design Gráfico, jogadora de voleibol e amante de música pop.

0 comentários:

Postar um comentário