Vakifbank libera Sheilla, Robin de Kruijf e Anne Buijs

Após falhar e conquistar apenas o campeonato turco com um investimento altíssimo, o Vakifbank passará por reformulações

Considerado uma das equipes mais poderosas do mundo, o Vakifbank montou um elenco milionário para a temporada 2015/2016, porém, o investimento não vingou. Era esperado que a equipe conquistasse, além do campeonato turco, a Liga dos Campeões ou a Europeia. Nada disso aconteceu. Vimos um Vakifbank abatido e grandes estrelas fazendo papel de coadjuvante.

 Foto: Divulgação desconhecida


A oposta bicampeã olímpica Sheilla foi uma das que mais sofreu nesse problema de desenvolvimento da equipe. Titular durante toda a temporada 2014/2015, a brasileira não conseguiu manter o rendimento esperado pelo técnico Giovanni Guidetti e passou a temporada 2015/2016 no banco de reservas, muitas vezes não sendo sequer relacionada. Essa questão ainda é polêmica, uma vez que muitos afirmam que isso não passou de um boicote do holandês para quebrar o ritmo de jogo de Sheilla. Sendo boicote ou não, a mineira não defendeu mais a equipe turca, mas sua valorização no mercado permanece. Ela ainda é sonho de consumo de diversas equipes do exterior. Apesar de não sabermos o próximo destino dela, é válido lembrar que sua dedicação maior agora será a seleção brasileira nesse ano olímpico.

Tratando-se de Robin e Anne, não há motivo concreto para a dispensa das jogadoras. Ambas foram titulares durante a temporada e foram regulares. Talvez estejam pagando o preço pela equipe não ter conquistado tantos torneio quanto desejado, e agora estão sendo reflexo da reformulação a qual a equipe passará. Sobre o futuro da central e da ponteira, nada especulado, nem muito menos confirmado, resta aguardar.

O certo é que o Vakifbank confirmou a contratação da ponteira chinesa Zhu Ting, que até agora, foi a primeira contração oficial. Porém, a equipe turca já demonstrou interesse na brasileira Natália Zílio, que já não faz mais parte da equipe Rexona/Ades. Estando a mercê de propostas internacionais milionárias, é possível que a ponteira escolha passar uma temporada em uma grande equipe como o Vakif.

Em meio a tantas especulações, é importante ficar de olho no mercado internacional que tende a ser cada vez mais movimentado, uma vez que o investimento no Brasil diminuiu enquanto o do exterior está em fase de crescimento.
Compartilhe no Google+

About Juliana Amaral

Brasileira e alagoana. Proprietária e Redatora da United for Volley, estudante de Jornalismo e Design Gráfico, jogadora de voleibol e amante de música pop.

0 comentários:

Postar um comentário