Investimento: Chegada de Mari e dominicanas põe Concilig/Bauru em destaque no voleibol nacional

Equipe foi uma das que mais recebeu investimento da última temporada pra cá e promete dar trabalho aos clubes "grandes"

Definitivamente, São Paulo é o berço do voleibol nacional. Com grande número de equipes e com sua maioria inserida da Superliga, o estado paulista movimenta grande parte da atividade esportiva do país. E foi pensando nessa causa que surgiu o Concilig/Bauru, uma equipe mais ou menos recente mas que ganhou espaço no cenário estadual e nacional ao desenvolver bons elencos durante as temporadas.

 Foto: RicardoBufolin/ECP

Desde que subiu para a série A da Superliga Feminina, a equipe bauruense contou com um pouco mais de investimento, que lhe permitiu começar a negociar com estrelas nacionais e internacionais. A primeira grande contratação da equipe foi a cubana Yoana Palacios, que, apesar que não ter chego a atuar oficialmente, fez crescer a expectativa  da torcida em ver o time em quadra. Uma lesão deixou a ponteira de fora e isso prejudicou os planos do Bauru. Logo, eles trataram de investir em jogadoras medianas nacionais, dentre elas, a revelação Naiara Felix e a experiente ponteira Mari Cassemiro, que foi uma das destaques da equipe e do torneio em geral.

 Mari Cassemiro, destaque do Vôlei Bauru. Foto: RicardoBufolin/ECP

Uma das grandes "conquistas" bauruense na temporada passada foi a vitória contra o atual campeão da Superliga, Rexona/Sesc, por 3 sets a 1 no primeiro turno da Superliga Feminina. Com o ginásio lotado e muito apoio da torcida, elas conseguiram tamanha façanha, sendo então, a única equipe a vencer o gigante carioca no campeonato. Essa força não foi suficiente para classificar a recém-chegada à Superliga A para a fase de playoffs, mas despertou novos horizontes, moveu uma nova torcida e atraiu novos patrocinadores.

Para a nova temporada, o Bauru não poupou esforços para ter uma equipe consistente, começando pela parte técnica, onde renovaram contrato com o técnico Marcos Kwiek, também comandante da seleção dominicana e que trouxe bons reforços internacionais, sendo elas, a excepcional libero Brenda Castillo e a ponteira Priscila Rivera. Castillo tem grande destaque no voleibol mundial, sendo nomeada como uma das melhores líberos da atualidade. Já Rivera, capitã da República Dominicana, traz consigo a fama de braço pesado, devido às grandes pancadas de ataque distribuídas por ela.

MONTAGEM DO ELENCO 2016/2017

Com um elenco bastante misto e ao mesmo tempo surpreso, o Bauru foi divulgando aos poucos suas atletas para a nova temporada. Em termos de renovação, ficaram apenas Mari Cassemiro, Bruna Honório e Lyara Medeiros. Já as novas contratadas foram as ponteiras Thaisinha, Carol Westermann e Priscila Rivera, a oposta/ponteira Dayse, a levantadora Juma, as líberos Dani Terra, Arlene e Brenda Castillo, as centrais Angélica, Valquíria e Rachel Loff. Por último, ainda essa semana, foi anunciada a mais importante contratação da temporada, a campeã olímpica em Pequim 2008, Mari Steinbrecher, que estava defendendo o Jakarta, na Indonésia.

Para assumir a titularidade, eram cotadas, inicialmente, Thaisinha e Mari Cassemiro nas pontas, Bruna Honório na saída de rede, mesmo que Dayse tenha assumido a posição, Angélica e Valquíria pelo meio, Juma no levantamento e Castillo de líbero. Porém, a chegada de Mari ao elenco embolou e muito o esquema tático da equipe. Não que isso seja ruim, mas, de certa forma, dificulta a escolha do time titular e faz com que Kwiek também tenha boas opções em seu banco de reserva.

 Bauru x Pinheiros na partida do Campeonato Paulista 2016. Foto: RicardoBufolin/ECP

Faltando apenas alguns meses para o início da Superliga Feminina, o Concilig/Bauru seguirá treinando forte e testando sua melhor formação para estrear em grande estilo na competição, com o objetivo principal de estar entre os 8 melhores e avançar para os playoffs do torneio. Sabe-se que, elenco e investimento para ir mais além, a equipe tem de sobra. Quanto aos torcedores, podemos esperar uma grande festa. O Ginásio Panela de Pressão, que pertence ao clube, tem sido palco de incentivo e espetáculo vindo da torcida, e as atletas já enfatizaram o quanto isso faz bem para o desempenho do time.

 Foto: RicardoBufolin/ECP

Para quem ainda não tem time ou prefere ser neutro em relação à torcida, vale a pena prestigiar o trabalho das demais equipes, que também vem buscando fortalecimento para aumentar ainda mais o nível de dificuldade do campeonato de vôlei mais importante do Brasil.
Compartilhe no Google+

About Juliana Amaral

Brasileira e alagoana. Proprietária e Redatora da United for Volley, estudante de Jornalismo e Design Gráfico, jogadora de voleibol e amante de música pop.

2 comentários: