Vice-campeã olímpica Ágatha surpreende e define seu destino no vôlei de praia

Sem ressentimentos e com muita vontade de trabalhar, Ágatha anunciou duas parceiras e explica seus planos para o fim do ano e início de 2017


Após anunciar o fim de sua parceira com a carioca Bárbara Seixas, Ágatha Rippel fez uma declaração sobre seus planos e abriu o jogo sobre sua nova parceria, aliás, novas. Em meio ao embalo pós olímpico, ela aceitou o desafio de jogar ao lado de Carol Solberg, filha de Isabel Salgado, até o final do ano. 

 Foto: FIVB

Já para 2017, os planos são ainda mais surpreendentes. Com tudo acertado, ela confirmou que jogará ao lado da jovem Duda Lisboa, que ainda faz dupla com Elize Maia e tem em seu currículo todos os títulos possíveis nas categorias de base do vôlei de praia. 

Duda comemorando com Elize o título da etapa mundial em Maceió. Foto: FIVB

Ágatha admitiu que a parceria é ousada mas que tem tudo para dar certo. Seu intuito principal, além de ser campeã dos torneios em que participar, é ensinar e auxiliar Duda, que com apenas 18 anos tem tudo para ser o próximo ícone da nova geração do vôlei de praia. 

Ainda em declaração, a paranaense de 33 anos disse que a dupla terá como técnica Cida Lisboa, mãe da Duda e a ex-jogadora e campeã olímpica de vôlei de praia Jackie Silva. A preparação física ficará por conta de Renan Rippel, marido de Ágatha, que já faz esse trabalho ao lado dela há muito tempo. Para fazer a equipe acontecer, Duda vai se mudar para o Rio de Janeiro onde as duas poderão treinar juntos sob comando de Cida e Jackie.

 Ágatha vibrando em ponto na World Tour. Foto: FIVB

"Acho que é um time que vai ter que treinar bastante (risos), imagino assim. A Duda é uma jogadora bem nova que, para a idade dela, rodou bastante já. Mas jogar no alto nível durante muitos anos, você tem que rodar mesmo. Ela deve estar querendo muito isso. Conversei pouco com ela até porque quero viver essa realidade com a Carol agora. Mas acho que posso ajudar muito a Duda, porque, principalmente no Circuito Mundial, onde não pode o técnico ficar no banco, trocar muita ideia, conversar no banco. Tem tudo para dar certo, mas teremos que trabalhar bastante", ressaltou a vice-campeã olímpica em entrevista ao Globo Esporte.

 Ágatha (bronze) e Duda (ouro) subiram juntas no pódio da World Tour em Maceió fazendo dobradinha do Brasil em 2016. Foto: FIVB

Desse modo, a dupla Ágatha e Duda deverá vir forte no ano de 2017, uma vez que, apesar de idades e carreiras opostas, as duas tem muita vontade de vencer e apostaram bastante na parceria. Logo, elas devem fazer sua primeira participação como dupla oficial em alguma etapa do Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia.
Compartilhe no Google+

About Juliana Amaral

Brasileira e alagoana. Proprietária e Redatora da United for Volley, estudante de Jornalismo e Design Gráfico, jogadora de voleibol e amante de música pop.

0 comentários:

Postar um comentário